Blog

Cultura organizacional: importância e 4 modelos de elaboração

A cultura organizacional é um componente indispensável para a estrutura de uma empresa. Afinal, de nada adiantam boas estratégias sem uma equipe dinâmica e motivada, que compreenda suas tarefas para executá-las com sucesso.

Atualmente, não é mais possível pensar no bom funcionamento de um negócio sem, antes, considerar a experiência da equipe, que afeta diretamente em todos os outros setores

Por isso, trouxemos esse artigo para te explicar o que é e como funciona uma boa cultura interna, além de te mostrar os modelos que podem ser aplicados.

O que é uma cultura organizacional?

A lógica da cultura dentro das empresas segue a mesma da cultura na sociedade. Ou seja, corresponde aos valores, ações e crenças compartilhados por todos os colaboradores e que irão representar um diferencial em meio ao mercado.

Desse modo, uma cultura organizacional bem consolidada é construída com o tempo e deve ser mantida constantemente, além de exigir uma elaboração estratégica.

Afinal, essa linha de pensamento vai acabar funcionando como um guia de atuação e mentalidade para o corpo de funcionários e, por isso, deve ser coesa o suficiente para auxiliar e influenciar nas tomadas de decisões.

Outro fator a se destacar é o impacto externo, uma vez que as estratégias adotadas para tratamento dos clientes, por exemplo, também são impactadas. A manutenção dos relacionamentos, as prioridades escolhidas e como isso afeta a motivação dos membros também devem ser considerados.

Como uma cultura organizacional é formada?

Para estruturar estrategicamente uma cultura organizacional, é importante pensar em suas expectativas com relação a empresa, seu desenvolvimento e seu posicionamento.

Para isso, existem algumas questões que, se respondidas, podem ajudar na visualização dos seus objetivos e possibilidades. Veja só:

  • Cultura missionária ou mercenária? Suas prioridades correspondem a uma causa ou ao lucro?
  • Estrutura ou flexibilidade? Os processos são definidos ou os membros têm liberdade para executá-los à sua maneira?
  • Planejamento ou instinto? É melhor ter um plano pré-definido ou aprender fazendo?
  • Controle ou boa delegação? Vale mais controlar ou orientar seus funcionários?
  • Cuidado ou permissão ao risco? 
  • Diplomacia ou autoridade?
  • Individualismo ou trabalho em grupo?
  • Vale mais o externo ou o interno? Você dá mais valor à visão que os funcionários têm da empresa ou à forma como o mercado te enxerga?

Lembrando que não estamos aqui para fazer juízo de valor. As respostas dessas perguntas apenas ajudarão você a definir a estrutura da cultura organizacional, que corresponde a missão, visão e valores da sua empresa.

Esses conceitos formam um documento oficial e devem estar integrados entre si, além de serem claros e capazes de inspirar e incorporar todos os processos daquele negócio.

Missão

Por que sua empresa existe? A missão é a resposta dessa pergunta.

Aqui, você deve elaborar um propósito fundamental para a criação e desenvolvimento dessa organização e, por isso, esse conceito determina toda decisão e estratégia tomada a partir dali.

Visão

Já a visão, representa onde a sua empresa quer chegar.

Para essa definição, é importante considerar objetivos plausíveis, que possam ser alcançados em determinado período de tempo. 

Essa estruturação permite que a visão seja revista e reelaborada com o passar dos anos e de acordo com a realidade do negócio.

Valores

Os valores funcionam como regras de atuação para os colaboradores. Em outras palavras, eles representam os princípios que regem o comportamento dentro da instituição.

É importante ressaltar a diferença entre crenças e valores. As primeiras correspondem ao que se acredita ser bom ou ruim, e os segundos são como se age diante disso.

Qual a importância de uma cultura organizacional?

A principal importância de uma cultura organizacional é a forma como ela reflete no corpo de funcionários

Afinal, você pode contar com os membros mais capacitados do mercado e acreditar nos princípios mais modernos, mas isso de nada adianta se você não consegue implantá-los de forma efetiva para motivar a sua equipe.

É muito comum observarmos uma rotatividade muito grande em empresas que têm uma cultura desorganizacional, além de falta de motivação, ausências e problemas com produtividade.

Por outro lado, uma cultura com diretrizes bem consolidadas auxilia na motivação e no crescimento dos colaboradores junto com a organização.

Cultura organizacional e jornada de trabalho

Como veremos mais adiante, é muito comum que culturas organizacionais que priorizem o bem-estar dos funcionários apresentem jornadas mais flexíveis

Nesses casos, a forma de gestão das horas de trabalho da sua equipe pode vir a ser uma questão, uma vez que a legislação determina a utilização do ponto eletrônico, por exemplo, para empresas com mais de 10 colaboradores.

Para isso, é muito comum utilizar sistemas como aplicativos e sites, como o  Rock Studio e o PontoTel, que possibilitam a incorporação desses horários de maneira fácil e rápida.

Tipos de cultura organizacional

Uma vez que seus objetivos e valores foram identificados e organizados, é importante definir como vai funcionar a sua cultura organizacional. 

Para elaborar essa estratégia, você pode partir da escolha de um tipo específico de cultura. Listamos aqui alguns desses modelos:

  1. Cultura de pessoas

Nesse caso, o membro, independente do cargo, sempre será prioridade. Em outras palavras, as empresas que adotam esse modelo enxergam a motivação de seus funcionários como motivo do seu sucesso. 

Por isso, o primeiro plano é ocupado pela valorização e integração da equipe, assim como o crescimento profissional de cada um.

  1. Cultura de poder

Aqui, algumas figuras da organização são definidas como líderes, e a elas é atribuída a responsabilidade de motivar e integrar seus colegas. 

Essa cultura concentra os poderes de decisão, além de estar majoritariamente focada em resultados.

No caso de empresas pequenas, é preciso tomar cuidado com a escolha dessa cultura, uma vez que o poder total no dono do empreendimento pode gerar conflitos internos.

  1. Cultura de tarefas

Nessa cultura, o foco está nos projetos e o poder se concentra de forma variada, priorizando a pessoa ou o grupo que tem maior capacidade de solucionar determinado problema.

Esse modelo proporciona mais liberdade e criatividade para a solução de questões, abrindo espaço para novas ideias e incentivando maior participação interna.

  1. Cultura de papéis

Esse tipo de cultura foca no papel desempenhado por cada membro dentro da organização, determinando a concentração de poder de acordo com uma hierarquia pré-estabelecida.

Como esse é um modelo mais rigoroso de organização, as tarefas tendem a ser pouco flexíveis e os funcionários tendem a ter menor perspectiva de crescimento dentro da empresa.

Planejamento estratégico para a sua empresa

Ao longo do texto, buscamos mostrar que uma cultura organizacional não é um trabalho isolado, e tem grande influência no crescimento e no retorno de um negócio. 

Ao enfrentar dificuldades, é necessário que a equipe e suas dores também sejam consideradas para elaborar um plano de ação de qualidade. Esse foi o caso da Talent Academy, por exemplo, que procurou a EJFGV para ajudá-los nessa jornada.

Para saber como podemos te ajudar, confira nossas soluções em planos de negócios.

0 comentário

Deixe um comentário

Avatar placeholder

O seu endereço de e-mail não será publicado.