CMV e CSV são partes fundamentais da gestão financeira de um negócio. Saiba tudo sobre esses conceitos, além de como calculá-los e qual a importância de cada um.

Blog

CMV e CSV: a importância da apuração de custos

CMV e CSV são duas das principais siglas utilizadas para apurar os custos de uma produção, fundamentais para que ações futuras como planejamentos orçamentários e precificações sejam feitas com precisão.

Elas servem para ajudar o empresário a ter uma perspectiva mais realista sobre o lucro que de fato está ganhando ou virá a ganhar.

Nesse artigo, vamos falar mais a fundo sobre esses dois conceitos, além de destacar sua importância e te mostrar alguns cuidados necessários. 

Quer saber mais? Continue sua leitura.

O que é CMV e CSV?

As siglas CMV e CSV significam, respectivamente, custo da mercadoria vendida e custo do serviço vendido. Ambos funcionam como indicadores de custos diretos de uma empresa em determinada fase de produção e venda.

Por serem indicadores diretos, eles desconsideram custos de produtos em estoque ou de serviços que ainda não foram prestados. Ou seja, são levados em consideração apenas os gastos que já entraram em curso, facilitando o cálculo do lucro bruto.

Vale dizer que, além de excelentes ferramentas de gestão, esses fatores são considerados demonstrativos legais, de acordo com o DRE. Isso acontece devido à precisão de seus resultados.

Mas vejamos como cada um funciona individualmente:

CMV 

O CMV funciona a partir da aquisição de bens para revenda e, por isso, é amplamente utilizado no comércio.

Aqui, é importante entender que mercadoria e produto são conceitos diferentes: enquanto o primeiro corresponde a bens revendidos, o segundo tem um cálculo próprio (CPV) corresponde ao que é produzido pela própria empresa.

Dito isso, é possível compreender que o custo de mercadoria vendida leva em conta duas variáveis principais: o valor de compra e os saldos de estoque (final e inicial).

Portanto, temos:

EI = Estoque inicial

C = Compras

EF = Estoque final

Logo:

CMV = EI + C – EF

Para facilitar a visualização, vamos a um exemplo:

Uma loja de calçados deseja apurar seu lucro bruto ao final de um ano, partindo de um faturamento de R$200.000,00, um estoque inicial de R$50.000,00 e um final de R$30.000,00 e compras em um valor de R$110.000,00.

Portanto:

CMV = EI + C – EF

CMV = 50.000 + 110.000 – 30.000

CMV = 130.000

Para encontrar o lucro bruto, basta subtrair o custo de mercadoria vendida pelo faturamento total:

L = 200.000 – 130.000

L = 70.000

CSV

Já o custo do serviço vendido – ou serviço prestado, sem nenhuma distinção fiscal – considera uma quantidade maior de variáveis. São elas:

  • MO = mão de obra direta
  • Sin = saldo inicial dos serviços em andamento
  • Sfi = saldo final dos serviços em andamento
  • GDS = gastos diretos (equipamentos, subcontratações…)
  • GIS = gastos indiretos (danos aos equipamentos, luz, mão de obra indireta…)

A partir desses conceitos, a fórmula é a seguinte:

CSV = Sin + (MO + GDS + GSI) – Sfi

Como fizemos anteriormente, vamos utilizar de um exemplo para facilitar a compreensão.

Dessa vez, uma costureira deseja calcular os custos de seus serviços prestados em um certo período de tempo.

Aqui, temos um saldo inicial de R$10.000,00 e um final de R$3.000,00. Além disso, a mão de obra direta é de R$9.500,00, os gastos diretos são de R$2.500,00 e os indiretos de R$2.000,00.

Portanto, temos:

CSV = Sin + (MO + GDS + GSI) – Sfi

CSV = 10.000 + (9.500 + 2.500 + 2.000) – 3.000

CSV = 21.000

Obtendo, então, R$21.000,00 de custo de serviços vendidos, a costureira pode usar esse número para comparação com faturamento ou para análise de produtividade.

Como funciona a apuração de custos?

Ainda que tenhamos compreendido bem como realizar esses cálculos, existe um detalhe importante que acaba se tornando uma dificuldade na maioria dos casos: a identificação dos custos.

Para isso, é preciso levar em conta todos os componentes do processo de compra e venda de uma mercadoria ou de uma prestação de serviço, o que pode ser auxiliado pela utilização de bases de dados, por exemplo.

Além disso, é necessário ter um método de custeio bem definido. Dentre os mais conhecidos, por exemplo, estão o custeio por absorção e o custeio por variáveis.

Cuidados para calcular CMV e CSV

Por fim, é importante ressaltar que de nada adianta um cálculo perfeito se os dados não são completamente confiáveis e condizentes com a realidade do negócio.

Por isso, existem alguns cuidados fundamentais na hora de calcular esses indicadores. Veja só:

Manter os registros em ordem

Para que os lucros possam ser apurados com exatidão, um bom controle de fluxo de caixa é sempre indispensável.

Cuidar do estoque

Assim como no item anterior, tudo que entra e sai do estoque deve ser devidamente controlado e registrado.

Capacitar a equipe

Capacitar bem seus funcionários significa oferecer treinamentos e atualizações constantes, além de estabelecer uma boa cultura organizacional e integrar todos os setores para uma comunicação fluida.

Estratégias para uma boa gestão financeira

Ao longo do texto, pudemos perceber que a gestão financeira de uma empresa é composta pelo alinhamento de diversos aspectos e áreas diferentes, cada uma ligada de uma forma diferente ao caixa do negócio. 

Por isso, é importante contar com uma equipe capacitada para organizar e operar esses aspectos, além de manter uma boa comunicação com você e seus colaboradores, assim como os membros da EJFGV

Precisa de ajuda na administração contábil da sua empresa? Confira nossas soluções financeiras.

0 comentário

Deixe um comentário

Avatar placeholder

O seu endereço de e-mail não será publicado.