Blog

Planejamento de estoque: os 5 passos essenciais

Se você trabalha com vendas, provavelmente sabe a falta que um planejamento de estoque faz. Essa organização serve para garantir que os clientes recebam o que procuram de forma imediata, evitando cancelamentos e vendas perdidas

Um estoque bem planejado garante um bom aproveitamento das reservas, além de ser um passo fundamental para a boa experiência e, consequentemente, fidelização do cliente.

Nesse artigo, vamos te mostrar alguns pontos indispensáveis para essa estratégia, além de trazer um passo a passo para que você possa colocá-la em prática.

Se interessou? Continue a leitura.

O que é planejamento de estoque?

O planejamento de estoque acontece com base no capital de giro da sua empresa e na rotatividade dos seus produtos. Monitorando esses fatores, você conhece sua capacidade de reabastecimento e investimento, além de entender em quanto tempo você deve fazer determinadas reposições.

Vale ressaltar que esse tipo de controle depende de uma boa organização de dados concretos, como quantidade de estoque atual, vendas realizadas no mês, lucro obtido, etc. 

Dentro de alguns tópicos, vamos detalhar esses fatores e a análise que deve ser feita. Enquanto isso, uma boa dica é a utilização de uma base de dados para organizar um grande volume de informações e não deixar nada passar despercebido.

Por que fazer um planejamento de estoque?

Quando esses dados não estão organizados, é muito comum que os investimentos nos produtos sejam mal planejados. Uma remessa extra com desconto do fornecedor pode parecer uma ótima ideia, como também pode trazer diversos prejuízos futuramente, como:

  • Armazenamento: Falta de espaço ou segurança podem gerar perdas ou exigir grandes custos para manutenção e aluguel de novos depósitos;
  • Capital congelado: É importante ter uma segurança de que as vendas irão acontecer, tendo em vista que o dinheiro da compra não retorna de imediato;
  • Obsolescência: Determinados nichos exigem uma circulação muito rápida da variedade de estoque, como lojas de departamento, por exemplo, que dependem das tendências do momento.
  • Desperdício: Os erros de armazenamento e obsolescência, citados acima, podem fazer com que você precise se desfazer de estoques inteiros, gerando um volume de lixo facilmente evitável.

Dessa forma, podemos entender que um planejamento de qualidade evita que você perca dinheiro investido, assim como garante uma atualização e um acompanhamento de mercado constante em suas ofertas.

Fatores de atenção na hora de planejar o estoque

Já entendemos, então, que um bom planejamento de estoque interfere no processo produtivo e no processo de vendas por completo. Portanto, é necessário fazer uma análise das condições da empresa para entender como esse plano deve ser feito.

Para isso, alguns fatores devem receber atenção especial, veja só:

Integração de processos

Além de um bom funcionamento individual, é indispensável que todos os departamentos estejam integrados entre si.

Em outras palavras, os setores de produção, vendas, distribuição e gestão devem estar sincronizados, para que nenhuma atividade seja prejudicada no decorrer do processo.

Controle dos indicadores

O monitoramento dos indicadores deve ser realizado em tempo real. Isso é importante para que se possa identificar, por exemplo, quando uma mercadoria começa a entrar em falta e exige reposição.

Além disso, esse tipo de cuidado garante o controle de prazos e a identificação dos intervalos entre as fases produtivas, auxiliando planejamentos futuros.

Relacionamento com fornecedores

A transparência e confiança nos fornecedores é fundamental para garantir o sucesso do planejamento de estoque. 

Uma boa dica é investir em técnicas de comunicação que estabeleçam prazos de entrega e margens de erro, de forma a evitar o comprometimento de disponibilidade e o atraso de encomendas.

Status tecnológico

Atualmente, é possível manter um controle de estoque muito maior através de aparelhos tecnológicos. Você pode, por exemplo, controlar a localização de produtos individuais ou remessas, bem como realizar uma análise de série e construir um histórico a partir disso. 

Esse tipo de investimento permite otimizar boa parte do processo, diminuindo o tempo de realização e o trabalho manual. Um bom exemplo é o sistema ERP, que faz o planejamento através de análises preditivas.

Como fazer um planejamento de estoque?

Agora que já entendemos o básico, vejamos 5 passos para um planejamento de qualidade. Lembre-se de aplicar os fatores que vimos no tópico anterior ao longo dessa prática.

  1. Cadastro dos itens

Primeiramente, é importante criar uma classificação padronizada dos itens que você já possui, para evitar furos e informações erradas. 

Isso pode ser feito através da atribuição de códigos e breves descrições, por exemplo.

  1. Controle de entradas e saídas

Para planejar o futuro, precisamos de dados concretos que nos permitam entender as possibilidades e interações do negócio e das mercadorias com os clientes.

Para isso, é necessário registrar e controlar todas as entradas e saídas – incluindo trocas e devoluções -, bem como os gastos envolvidos em cada processo. É aqui que entram as bases de dados e planilhas (Google Sheets ou Excel) que comentamos anteriormente.

Esse controle deve ser registrado e guardado nessas planilhas, com a finalidade de desenvolver históricos que permitam um estudo mais aprofundado da empresa de tempos em tempos.

  1. Projeção de pedidos

Agora, já é possível observar a rotatividade dos produtos com mais clareza, entendendo qual sai em maior quantidade, qual traz mais lucro e, ainda, qual fornecedor é mais eficiente em cada caso

Essa observação também permite que seus itens sejam classificados em categorias de lucro gerado por venda realizada, como funciona através da curva ABC.

Isso tudo permite que você planeje seus próximos pedidos com base em um histórico já documentado e mais confiável.

  1. Armazenamento padronizado

Da mesma forma como são registrados, é interessante que os produtos sejam armazenados de forma padronizada, o que evita perdas e otimiza o trabalho se feito de forma estratégica (produtos que saem mais em uma posição mais acessível, por exemplo).

Vale observar que também é possível melhorar o espaço disponível para estoque, ajudando na organização. A verticalização, através do uso de prateleiras, é um bom exemplo de como aumentar esse aproveitamento. 

  1. Inventários periódicos

Os balanços de estoque são contagens feitas a fim de verificar se as quantidades físicas de estoque correspondem às previsões feitas anteriormente.

Essa estratégia permite a identificação de erros e a reformulação de planos, e pode ser otimizada se feita em pequenas quantidades por vez, evitando erros por sobrecarga.

Garanta um planejamento de estoque completo

Agora que você já viu como adotar a estratégia do planejamento de estoque, entende como esse tipo de organização garante uma otimização geral no processo de uma empresa.

A EJFGV tem uma gama completa de serviços de plano de negócios, dos quais diversos de nossos clientes já se beneficiaram e tiveram resultados concretos em suas vendas. 

Para conferir nossas soluções, clique aqui.

0 comentário

Deixe um comentário

Avatar placeholder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

plugins premium WordPress